Os melhores passeios no Alentejo • BesThings

Os melhores passeios no Alentejo

Um roteiro de cinco cidades para você conhecer a verdadeira experiência alentejana, com suas paisagens bucólicas, vinícolas incríveis, cidades medievais e uma gastronomia acolhedora. Confira aqui os melhores passeios no Alentejo

fotos Gui Gomes


As ruas sinuosas e o casario bem preservado da vila medieval de Monsaraz

Imensidão é uma palavra que define bem o Alentejo. A região ocupa mais de um terço do território português, com 31 mil km2 de planícies, paisagens campestres, videiras, oliveiras e sobreiros – a árvore de onde se extrai a cortiça. Não por acaso, é a maior região produtora de vinhos e azeites de Portugal, além de outros itens agropecuários, como o porco. A agricultura, contudo, não é a maior atividade econômica local, mas sim o turismo. Com 58 municípios, o Alentejo é uma festa para os visitantes: vinícolas, castelos medievais, conventos transformados em hotéis de luxo, vilas charmosas, culinária saborosa e vinhos excelentes, com preços camaradas e distâncias fáceis de percorrer. A dica é chegar a Lisboa num dos voos diários da Azul, a partir de Campinas, seguir de carro até Évora, a 134 km de Lisboa, e passar ali alguns dias visitando as cidades próximas, vivendo a experiência alentejana.


Évora

A mais famosa cidade alentejana tem uma história mais antiga do que o próprio país. Habitado desde o período pré-histórico, o vilarejo ganhou status de município ainda no século 1, sob domínio do Império Romano. Uma das heranças desse período tornou-se um dos mais conhecidos pontos turísticos de Évora, o Templo Romano, com 14 colunas de granito, que já abrigou um teatro e um matadouro. Aproveite o dia para fazer um tour guiado a pé no Centro Histórico, com paradas obrigatórias, como a Igreja de São Francisco e sua famosa Capela dos Ossos, construída pelos frades franciscanos e recoberta de mais de 5 mil ossos humanos – a ideia era instigar a reflexão sobre a brevidade da vida. O templo mais bonito da cidade é a Sé de Évora, uma catedral gótico-românica do século 13, com capelas e esculturas fantásticas, além do suntuoso claustro. Não deixe de subir nas torres medievais, de onde se tem a melhor vista da cidade, e depois almoçar no Café Alentejo, com pratos típicos, como sopa alentejana e porco com migas. Vale também conhecer a Universidade de Évora, a segunda a ser fundada em Portugal, ainda em 1559, e visitar sua bela biblioteca. Pegue seu carro, dirija por 2 km e vá até a Adega Cartuxa, uma das vinícolas portuguesas mais queridas dos brasileiros, onde há visita guiada no antigo lagar e prova de vinhos. Termine a noite jantando no Divinus, restaurante do Convento do Espinheiro, a 10 minutos do centro, onde o chef Jorge Peças serve pratos como o porco preto beloteiro com batata, acelgas e laranja.




Monsaraz

Se percorrer o Alentejo já significa uma viagem no tempo, essa jornada ganha ainda mais força numa visita a Monsaraz, a 54 km de Évora. Trata-se de um dos mais antigos vilarejos de Portugal, encravado no topo de uma colina. Foi ocupada por diversos povos desde a pré-história, ficando sob domínio muçulmano no século 8 e sendo reconquistada pelos cristãos definitivamente em 1232. Hoje abriga o imponente castelo do século 13, rodeado por uma bem preservada vila medieval, na fronteira com a Espanha – tão pertinho do país vizinho que suas paisagens se confundem lá do alto. Várias das casas branquinhas, espremidas por ruas e vielas, tornaram-se negócios, como cafés, restaurantes e lojas. Muitas, porém, são os lares das cerca de 100 pessoas que moram entre as muralhas medievais. Visite também a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Lagoa, o pelourinho, a antiga cisterna e, claro, o castelo, onde você percorre as edificações fortificadas, a atual praça de touros e sobe na Torre de Menagem, de onde se tem a melhor vista da região. Vale dar uma volta na liça – o caminho ao redor das muralhas, recentemente restaurado – e estender a visita até o fim da tarde, para poder observar o incrível pôr do sol tomando uma taça de vinho e apreciando o gostoso silêncio da vila.




Vila Viçosa

Com quase 8 mil habitantes, a pequena Vila Viçosa tem uma grande reputação: é a capital lusitana do mármore, com mais de 150 pedreiras. A rocha, porém, não é a única fonte de notoriedade da cidade. Ali também nasceu a poetista Florbela Espanca, cujo túmulo fica ao lado do Santuário de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, igreja da padroeira de Portugal. Próximo dali está o principal ponto turístico da região, o Paço Ducal de Vila Viçosa. Considerado o “Versailles português”, o palácio foi a residência da família Bragança, famosa dinastia da coroa portuguesa. Erguido em 1501, tem uma fachada monumental, com mais de 100 metros de comprimento, recoberta, claro, de mármore. A visita passa pelos ambientes suntuosos, como a Sala dos Duques, com 18 quadros no teto e uma coleção de porcelanas chinesas. Para seguir no tema local, hospede-se no Alentejo Marmoris, hotel a minutos do Paço, com decoração sui generis, uma bela piscina, spa, restaurante e lounge.


Elvas

Vale incluir esse destino no tour alentejano, graças às muralhas seiscentistas que circundam a cidade, aos monumentos e às famosas edificações militares. Como o Forte da Graça, erguido no Monte da Graça, como uma estrela de dez pontas, destacando-se, ao centro, a Casa do Governador, ponto mais alto da fortaleza. No Centro da cidade, dá para conhecer tudo a pé: o castelo, a cerca islâmica, o Mercado Municipal Casa das Barcas e o Aqueduto da Amoreira. Não deixe de provar as famosas ameixas de Elvas, feitas a partir da antiga receita das monjas dos conventos de Santa Clara e São Domingos: as ameixas rainha-cláudia passam três meses sendo confitadas em tachos de cobre, resultando numa iguaria de polpa macia e doçura sutil e herbal.




Estremoz

Conhecida como “cidade branca”, Estremoz é famosa pela extração de mármore branco e pelas edificações medievais, como o Castelo de Estremoz e as muralhas do século 13 ao redor da “cidade velha”, com quatro portas de entrada (de mármore!). Já na parte mais “nova” da cidade, vale conhecer a Igreja de São Francisco, que virou Monumento Nacional em 1924, e o Museu Berardo Estremoz, dedicado à azulejaria. Localizado no Palácio Tocha, o museu, apresenta mais de 4.500 peças, que contam 800 anos de história dos azulejos em Portugal. Aproveite para degustar alguns vinhos na lojinha anexa ao museu, com ótimos rótulos alentejanos. A uma esquina do museu fica a excelente Mercearia Gadanha, que reúne mercearia gourmet, adega e restaurante – este sob o comando da chef brasileira Michele Marques. Entre suas receitas surpreendentes estão foie gras fresco com maçã caramelizada no vinho do Porto e framboesas liofilizadas; queijo de cabra, picles de pera, mel, nozes e sorvete de tomilho; e a incrível maçã verde feita de chocolate branco, recheada com creme de poejo e maçã, com sorvete de leite de ovelha, sobre uma granita fresca. Viva o Alentejo!